Imagen de Kukily colectivo

Ir ao artigo em português

Este texto es el resultado de haber visto la película Estoy acá – Mangui Fi, de los directores argentinos Esteban Tabacznik y Juan Manuel Bramuglia, en el Centro Cultural Recoleta (Buenos Aires, Argentina), y haber participado en un ‘debate’ después de la función, en el cual quise problematizar el lugar privilegiado de artistas blanques hablando sobre nosotres (personas racializadas, negras en este caso). La verdad que la recepción de mi pregunta fue violenta y poco entendible en un supuesto espacio de debate; por ello, comparto un texto sobre la cuestión….

A las personas blancas con curiosidad, creando arte sobre nosotres:

No necesitamos de ustedes ni su visión artística para contar nuestras historias. La curiosidad y la posibilidad de convertir esa curiosidad en un producto artístico (hasta cuando admiten que NO TIENEN conocimiento de los temas que están tratando ni recorrido trabajando estos temas) es un privilegio enorme.

Somos sujetos, no objetos. Y queremos ser radicalmente sujetos. No queremos colaborar o participar en la producción de ustedes. Esa producción, por más que nos incluya, será desde sus intereses, su curiosidad sobre nosotres y su necesidad de desmitificar nuestra existencia. Veo que muchas veces las producciones de personas blancas sobre personas racializadas hacen un trabajo de traducir nuestra existencia a un formato entendible (y CONSUMIBLE) para audiencias blancas. Nosotres no hablamos y no producimos para audiencias blancas. Pues tenemos cosas más urgentes para hablar. Queremos que nos escuchen, obvio, pero no hablamos por ellos.

¿Cómo podemos ser radicalmente sujetos? ¿Qué necesitamos? Que nos den las cámaras, las lapiceras, los equipos técnicos. La posibilidad de dirigir. Las herramientas para producir nosotres mismes. Acceso a espacios. Acceso a fondos. Acceso a formación artística, que por más que sea gratuita sigue siendo inaccesible. Que nos dejen poner los temas que queremos en el centro de discusiones que traten de nuestras vidas. Y además, necesitamos curadores de les nuestres, que van a incluir a nosotres y nuestra producción en el mundo del arte.

¿A ustedes (artistas blanques) les dan la plata y el lugar para producir? Pues pásenlo a nosotres. Usen sus privilegios para repartir, porque ustedes no ganan lugar solo por sus talentos. Los roles directivos y de curaduría en campos artísticos no están ocupados mayormente por hombres blancos porque tienen más habilidad. Y, si admiten eso, entienden que no ganan lugar sólo por sus talentos. No pueden seguir ocupando la mayoría de los espacios. A REPARTIR YA!

Está todo bien que les interesa tratar el tema/los temas/lo de nosostres. Pero antes de accionar, sirve reflexionar. ¿No sería mejor que una persona dentro de esa comunidad tuviera el lugar para hacerlo? ¿Y si no es alguien dentro de esa misma comunidad, podría ser alguien de experiencias parecidas y una mirada sensible? ¿Y si van a hacer algo en ‘colaboración’ con personas de la comunidad, la visión, dirección, decisiones estéticas, y edición no deben ser colectivos/colaborativos también? No sería mejor que se corran de su lugar de autoridad para hablar de todo (y repito—hasta cuando admiten que no tienen conocimiento ni recorrido en el tema)? Lo que sí falta es producción hecha por personas blancas, descendientes de colonizadores, que hagan reflexiones profundas sobre sus privilegios y sobre su lugar dentro de sistemas de opresión; esa sería una mirada interesante.

Lo más injusto y doloroso de esta situación es lo siguiente. Vos lo hacés por una sola peli, una sesión de fotos, un proyecto único. Vos ganás los premios y reconocimiento por hacer algo alternativo dentro de una burbuja de producción hegemónica blanca, y después saltás a la próxima tema. Nosotres siempre trabajamos con y desde nuestras identidades. Carreras artísticas enteras en base de nuestras investigaciones y reflexiones. Creamos arte que habla de nosotres por necesidad y como una forma de sobrevivencia. Mi vida y mi identidad no necesitan de una visión artística blanca, porque realmente no aporta nada nuevo. Es violento no tener tu propia voz legitimada en el ámbito artístico, y al mismo tiempo ver artistas blanques ganando espacio para hablar DE/POR vos, seguramente porque sea alternativo y esté de moda tratar el tema.

Para hacer unas comparaciones más entendibles para argentines no racializades. ¿Cómo se sentirían si a una persona estadounidense le pinta hacer una película hablando de/por latinoamericanes? ¿Un hombre haciendo una película sobre el feminismo? ¿Y que ganen premios y reconocimiento de sus colegas por el gran riesgo de hacer algo nuevo? (No está de más aclarar que eso mismo le pregunté al director Esteban Tabacznik; su respuesta es que no tiene problema con eso). Pues sí hay un problema: las personas necesitan autonomía para contar sus propias historias.

Por último, si aprendiste de este texto, y lo usás después, te pido que me cites a mi y al colectivo Kukily del cual formo parte, que con ellas vamos construyendo este conocimiento en conjunto. Esto es nuestra especialidad, enfoque profesional, lugar de conocimiento. No es gratis y tomó mucho tiempo y esfuerzo para conseguir. Lo comparto para mejorar las condiciones de trabajo e informar a colegas que pueden colaborar en nuestra lucha; pero no para ser tomado sin reconocimiento alguno.

 

 

ÀS PESSOAS BRANCAS FAZENDO ARTE SOBRE NÓS: SOMOS RADICALMENTE SUJEITOS

Imagem de Kukily colectivo

Este texto é resultado de ter assistido ao filme Estoy acá – Mangui Fi, dos diretores argentinos Esteban Tabacznik e Juan Manuel Bramuglia, no Centro Cultural Recoleta (Buenos Aires, Argentina), e ter participado de um “debate” depois da função no qual quis problematizar o lugar privilegiado de artistas brancos falando sobre nós (pessoas racializadas, negras nesse caso). A verdade é que a recepção de minha pergunta foi violenta e pouco compreensível em um suposto espaço de debate; por isso compartilho um texto sobre a questão…

Às pessoas brancas curiosas, fazendo arte sobre nós:

Não necessitamos de vocês, nem de sua visão artística para contar nossas histórias. A curiosidade e a possibilidade de transformar essa curiosidade em um produto artístico (até quando admitem que NÃO TÊM conhecimento dos temas que estão abordando, nem uma trajetória trabalhando sobre esses assuntos) é um privilégio enorme.

Somos sujeitos, não objetos. E queremos ser radicalmente sujeitos. Não queremos colaborar ou participar da produção de vocês. Essa produção, por mais que nos inclua, virá sempre desde seus interesses, sua curiosidade sobre nós e sua necessidade de desmistificar nossa existência. Vejo que muitas vezes as produções de pessoas brancas sobre pessoas racializadas fazem um trabalho de traduzir nossa existência a um formato compreensível (e CONSUMÍVEL) para audiências brancas. Nós não falamos e não produzimos para audiências brancas, pois temos coisas mais urgentes para falar. Queremos que nos escutem, óbvio, mas não falamos por eles.

Como podemos ser radicalmente sujeitos? O que precisamos? Que nos dêem as câmeras, as canetas, os equipamentos técnicos. A possibilidade de dirigir. As ferramentas para que nós mesmos possamos produzir. Acesso a espaços. Acesso a fundos. Acesso a formação artística que, por mais que seja gratuita, continua sendo inacessível. Que nos deixem colocar no centro das discussões que tratem de nossas vidas os temas que queremos. E, além do mais, precisamos de curadores nossos que incluam a nós e nossa produção no mundo das artes.

Se para vocês (artistas brancos) é dado o dinheiro e o lugar para produzir? Pois passem-os a nós. Usem seus privilégios para repartir, porque vocês não ganham espaço só por seus talentos. Os papéis de direção e de curadoria em campos artísticos não estão ocupados em sua maioria por homens brancos porque esses têm mais habilidade. E, se assumem isso, entendem que não ganham espaço apenas por seus talentos. Não podem continuar ocupando a maioria dos espaços. DISTRIBUIR JÁ!

Está tudo bem que lhes interesse abordar nosso tema/nossos temas. Mas antes de agir, há que refletir. Não seria melhor que uma pessoa pertencente a essa comunidade tivesse o espaço para fazê-lo? E se não é alguém pertencente a essa mesma comunidade, não poderia ser alguém com experiências similares e uma visão sensível? E se decidem fazer algo em “colaboração” com pessoas da comunidade, a visão, direção, decisões estéticas e edição não deveriam ser coletivos/colaborativos também? Não seria melhor que saiam de seu lugar de autoridade para falar sobre tudo (e repito – até quando assumem que não têm conhecimento nem trajetória no assunto)? O que falta são produções feitas por pessoas brancas, descendentes de colonizadores, que façam reflexões profundas sobre seus privilégios e sobre seu espaço dentro dos sistemas de opressão; essa seria uma visão interessante.

O mais injusto e doloroso dessa situação é o seguinte: você faz apenas um filme, uma sessão de fotos, um único projeto. Você ganha os prêmios e reconhecimento por fazer algo alternativo dentro de uma bolha de produção hegemônica branca e depois pula para o próximo tema. Nós trabalhamos sempre com e a partir de nossas identidades. Carreiras artísticas inteiras baseadas em nossas investigações e reflexões. Fazemos uma arte que fala sobre nós mesmos por necessidade e como forma de sobrevivência. Minha vida e minha identidade não necessitam de uma visão artística branca, porque isso realmente não contribui com nada novo. É violento não ter sua própria voz legitimada no âmbito artístico e, ao mesmo tempo, ver artistas brancos conquistando espaço para falar por e sobre você, certamente por ser alternativo e pelo fato de que esteja na moda falar sobre o assunto.

Para comparar de uma forma mais compreensível para os argentinos não racializados. Como vocês se sentiriam se uma pessoa estadunidense resolvesse fazer um filme falando sobre e no lugar dos latino americanos? Um homem fazendo um filme sobre o feminismo? E que estes ganhem prêmios e reconhecimento de seus colegas pelo grande risco de fazer algo novo? (Não é demais esclarecer que foi isso mesmo que perguntei ao diretor Esteban Tabacznik; sua resposta foi que não há nenhum problema com isso). Pois sim, há um problema: as pessoas precisam de autonomia para contar suas próprias histórias.

Por último, se você aprendeu alguma coisa com esse texto e o utilize depois, te peço que cite a mim e ao Coletivo Kukily, ao qual formo parte, e com elas vamos construindo esse conhecimento em conjunto. Essa é a nossa especialidade, abordagem profissional, espaço de conhecimento. Não surgiu do nada e levou muito tempo e esforço para desenvolver-se. Compartilho para melhorar as condições de trabalho e informar os colegas de que podem colaborar com nossa luta, mas não para que seja tomado sem reconhecimento algum.

 

Colleen Ndemeh Fitzgerald es una artista de danza/artes escénicas, de orígen estadounidense y liberiana, radicada en Argentina desde 2012. Es Licenciada en Danza Contemporánea y Antropología de Bates College (EEUU). También es activista, enfocada en problemas de género, raza y clase. Forma parte del colectivo Kukily.

Comparte!

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.